SÃO LUÍS ORIONE: A CARIDADE SALVARÁ O MUNDO

Modelo de fé e de santidade. Exemplo de fidelidade ao papa e a igreja. Devoto de Nossa Senhora e apaixonado pela juventude, São Luís Orione se faz presente até os dias de hoje por meio de suas obras e defesa aos pobres e mais necessitados

O dia 12 de março de 2020 é sem dúvidas uma data a ser lembrada por todos aqueles que conhecem o Pequeno Cotolengo e se inspiram no carisma de São Luís Orione. Nascido na cidade Pontecurone, município pequeno da Diocesse de Tortona, ao norte da Itália no dia 23 de junho de 1872, foi recebido como Aspirante em um Convento Franciscano em Voghera, uma cidade localizada próximo a região de Pavia. Foi aluno de Dom Bosco no Oratório Salesiano de Váldocco em Turim de 1886 à 1889.

Ainda quando muito jovem Luís Orione como seminarista se dedicava a obras de solidariedade em prol das pessoas mais necessitadas, participava da “Sociedade de Socorro Mútuo São Marciano” e das Conferências Vicentinas.

Mas, foi em 13 de abril de 1895, que Luís Orione realizava seu sonho e foi ordenado sarcedote. O Padre Luís Orione realizou novas fundações em Mornico Losana próximo a região onde ele havia iniciado o Aspirantado em Pavia.

Juntos a Dom Orione, se uniram seminaristas e padres que deram a formação do primeiro núcleo de uma nova Congregação a toda família religiosa, a Pequena Obra da Divina Providência. Logo em seguida, Dom Orione deu mais um passo e assim surgia os Eremitas da Divina Providência. O trabalho de Dom Orione foi muito intenso e após a aprovação canônica da congregação, Dom Orione mergulhava em ações sempre voltadas aos pequenos , pobres e os carentes que muitas vezes eram esquecidos pela sociedade. Dom Orione buscava levar essas pessoas ao encontro de Deus, à Igreja e também ao Papa, mediante sempre a gestos de caridade, com o desejo sempre insano de ser consagrar a um quarto voto que seria de fidelidade ao Papa.

Motivado por seu amor a Igreja e pelas almas, Dom Orione foi se envolvendo ativamente em problemas na época considerados emergentes. Lutou pela liberdade e a unidade dentro da igreja, questões voltadas ao modernismo, socialismo e a evangelização das massas operárias. .

Exemplo de fé, Dom Orione recebeu inúmeras demonstrações de apreço do Papa e de autoridades que lhe confiavam missões importantes e delicadas, para sanar feridas profundas que existiam no seio da Igreja e da sociedade . Dom Orione sempre foi um grande devoto de Nossa Senhora  e propagou de todos os modos uma devoção Mariana, ergueu santuários, entre eles o Santuário Nossa Senhora da Guarda localizado em Tortona .

Dom Orione persistiu, continuou sempre acreditando na transformação de um mundo melhor baseado na caridade, no cuidado com o próximo, ajudando sempre quem estava necessitado, carente muitas vezes de sinais simples de humanidade. Fundador do Pequeno Cotolengo, Dom Orione se espelhou em São José Beneditto Cotolengo, que havia o sonho de abrigar em sua casa pessoas doentes e necessitadas.

O amor dedicado a estes projetos continua firme e espalhado pelo mundo, hoje as obras que recebem o carisma Orionita seguem suas missões de promover dignidade humana, atenção especial aos valores da vida, olhar que vai além de um simples julgamento, entendido e respeitado apenas na dor que habita em cada ser humano.

Em 1940, Dom Orione foi atacado por doenças de grave intensidade no coração e nas vias respiratórias, foi enviado quase que forçado pelos médicos e confrades a se retirar para Sanremo, e foi para lá dizendo não é entre as palmeiras que eu quero viver e morrer, mas no meio dos pobres que são Jesus Cristo”. E ali, três dias depois de ter chegado, morreu no dia 12 de Março, sussurrando suas últimas palavras: “Jesus! Jesus! estou indo”.

Dom Orione deixou um legado de carinho e cuidado pelos  mais pobres, tinha um grande e incondicional aos jovens detentores “do sol ou da tempestade do amanhã”, devoção incomparável a Nossa Senhora e dedicação total a igreja com fidelidade ao Papa.

Renovemos no dia 12 de março o nosso compromisso cristão, nossa devoção a Nossa Senhora, o cuidado e atenção aos mais pobres, nossa esperança nos jovens construtores e protagonistas de uma nova era e a renovação diária de promover o bem e espalhar a caridade. São 80 anos da morte de Dom Orione, que nós possamos por meio de sua intercessão continuar seguindo o caminho do bem, acolhendo o irmão que precisa, sendo generoso nas nossas atividades, dedicando o tempo à palavra e, sobretudo, sempre renovando todas as coisas em Cristo.

Ave Maria e Avante!